Quarta, 28 de Julho de 2021
67998539514
Política Quase lá

CCJ aprova do nome do presidente do TRT24 para ocupar a vaga de ministro do TST

Nome, agora, segue para votação no Senado Federal

05/07/2021 19h58
Por: Redação
CCJ aprova do nome do presidente do TRT24 para ocupar a vaga de ministro do TST

O Presidente do TRT/MS, desembargador Amaury Rodrigues Pinto Junior, teve sua indicação aprovada Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal na tarde dessa segunda-feira (05).  Foram 19 votos favoráveis, um voto contrário e um abstenção. O indicado segue agora para análise dos 81 senadores em Plenário. A sabatina pelos senadores da CCJ é mais uma etapa do processo rumo ao cargo de Ministro do Tribunal Superior do Trabalho. O Procurador-geral do Trabalho, Alberto Bastos Balazeiro, também passou por sabatina na mesma sessão.

O des. Amaury cumprimentou os senadores de Mato Grosso do Sul, Simone Tebet (MDB-MS), Soraya Thronicke (PLS-MS) e Nelsinho Trad (PSD-MS). Também cumprimentou o decano do TST,  ministro Yves Gandra Martins Filho, que estava presente na sessão, representando a Presidente do TST, ministra Maria Cristina Peduzzi.  Na sequência, cumprimentou sua família e filhos, os demais ministros do TST, os desembargadores, juízes, advogados e servidores, familiares e amigos que acompanhavam virtualmente a sessão pela TV Senado.

Em sua fala, o desembargador fez uma retrospectiva de sua carreira, desde o início na Magistratura do Trabalho, até seu trabalho como docente universitário. "A aprovação de vossas excelências, portanto, não é apenas um ritual de passagem: representa a verificação institucional de uma escolha feita pelos demais poderes da República e sua adequação aos anseios da sociedade brasileira", disse. "Esse momento representa o ápice na minha carreira, pela escolha unânime dos ministros do TST, pela indicação do presidente da República e busco a chancela do Senado Federal", completou.

O relator da indicação do des. Amaury foi o senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) que afirmou ter procurado saber com os pares, com a classe empresarial e com sindicatos de Mato Grosso do Sul se o magistrado era uma pessoa justa. "As respostas foram totalmente positivas", afirmou.

Para a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) os requisitos para ocupar um cargo como o de ministro são notório saber jurídico e reputação ilibada. "Para nós, sul-mato-grossenses, é um orgulho (...) O jurisdicionado estará bem amparado nessa esfera". A senadora concluiu lembrando, ainda, da vocação do des. Amaury para o magistério: "Precisamos muito de sabedoria, precisamos reconstruir empresas, retomar o crescimento e gerar empregos. Precisamos de um equilíbrio em nosso país, protegendo empregados e empregadores também".

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) esclareceu que o aval principal não é o da sabatina feita no dia da reunião da CCJ. "Na realidade, o aval já foi dado muito antes pela história de vida profissional, competência, ética e trabalho". A senadora também fez referência ao número de pessoas desempregadas e subutilizadas, "a missão não é fácil num momento de pandemia e pós-pandemia".

O Senador Fabiano Contarato (REDE-ES), em sua arguição, disse que a Justiça do Trabalho é a Justiça que mais tem o olhar para o hipossuficiente. "Vocês sabem humanizar a dor, a empatia de se colocar no lugar do outro. Acolher o trabalhador na sua amplitude, dentro de um momento em que passamos pelo sistema de precarização das relações trabalhistas, é necessário que a JT seja altiva", ressaltou.

O último a arguir foi o senador Esperidião Amin (PP-SC) que enfatizou a relevância da atualização e das novas práticas que a pandemia impôs. "É importante que nos atualizemos institucional e funcionalmente e o trabalho remoto, que foi muito disseminado durante a pandemia, veio para ficar". Esperidião Amin também conclamou a Justiça do Trabalho a auxiliá-los a aprimorar a legislação.

O des. Amaury respondeu aos questionamentos dos senadores e respondeu ao agradecimento que a senadora Simone Tebet fez sobre a escolha do nome de seu pai, senador Ramez Tebet, para o Fórum Trabalhista de Campo Grande. "A escolha foi colegiada e mais do que merecida. Foi a forma que tivemos de agradecer ao Senador Ramez Tebet por tudo que ele fez pelo Mato Grosso do Sul e pela Justiça do Trabalho", encerrou.

O nome do desembargador Amaury segue para votação no plenário do Senado e, posteriormente, para nomeação como ministro do TST pelo presidente da República.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias