21/08/2020 às 12h15min - Atualizada em 21/08/2020 às 12h15min

Líder do PSL, Soraya Thronicke vota a favor dos servidores públicos e segue firme com o presidente Bolsonaro

Servidor público não entende porque a senadora foi atacada por ter "votado certo"

Redação
Reprodução
A política é uma ciência não exata. Isso porque, quando um parlamentar (político) vota contra um projeto que pode ajudar o povo, imediatamente é sacrificado nas redes sociais e chamado de inimigo da nação e do povo.

Porém, quando o político vota a favor do povo, nem que para isso tenha que ter votado contra o próprio partido, muitas pessoas acabam tentando jogar o parlamentar contra os líderes do seu partido ou da sua bancada.

Foi o que aconteceu com a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), que passou o maior apuro por ter votado a favor dos servidores públicos e contra um veto do presidente Jair Bolsonaro, líder do seu grupo político. (Na foto, a senadora junto com o presidente durante assinatura das medidas de liberdade econômica no Brasil)

Na quarta-feira (19), a senadora Soraya ajudou a derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro que barrava reajustes para servidores públicos de carreira até o fim do ano que vem (2021). Após o resultado do veto, imediatamente surgiram várias postagens de pessoas ligadas a política dizendo que a senadora traiu Bolsonaro, que ela não estava mais no grupo e que sua atitude seria uma traição a toda a bancada do presidente no Congresso Nacional.

Fato é que Soraya Thronicke (PSL-MS) apenas manteve seu posicionamento de compreender a necessidade dos servidores públicos de carreira. 


Na votação, 42 senadores aprovaram a derrubada do veto do presidente e 30 votos foram para manter o voto. Pela lógica da política, o cidadão, no caso o servidor de carreira, entende que está correta a postura da senadora do Mato Grosso do Sul, pois qualquer pessoa espera benefícios dos seus parlamentares e não um voto que possa penalizar o trabalhador.

Existem mecanismos que o governo pode adotar para elevar a receita, conter gastos e assim conseguir cumprir com seus compromissos fiscais, entre eles o de garantir benefícios aos servidores de carreira. Uma das medidas seria a diminuição de cargos comissionados em várias esferas do poder, conter despesas dos poderes e combater a corrupção, o que geraria mais dinheiro em caixa.

A senadora Soraya Thronicke (PSL) segue com seu planejamento, inclusive já montou uma força tarefa para apoiar nomes de peso no interior de Mato Grosso do Sul nestas eleições. Seu partido, o PSL, deverá conquistar várias prefeituras e cadeiras em Câmaras Municipais se assim seguir o planejamento.

Sobre ter votado contra o presidente e a favor do povo, fontes que transitam em Brasília já confirmaram ao DiárioCG que isso não abalou em nada e que muitas vezes, ao contrário do que muita gente pensa, possa ser até uma estratégia do presidente Jair Bolsonado, pois quem conhece sua linha de trabalho sabe que o presidente gosta de "inovar" em suas atitudes.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual prefeito seria melhor para a saúde?

56.3%
27.7%
16.0%