03/09/2020 às 09h17min - Atualizada em 03/09/2020 às 09h17min

Na era das fakenews, candidatos precisam avaliar sua trajetória de vida antes da candidatura

Muitas vezes, pessoas idôneas sofrem com os bandidos virtuais.

Redação
Reprodução
As eleições estão chegando os os possíveis candidatos precisam estar atentos a suas condições para concorrer a um cargo eletivo. Isso porque, ao contrário do que muita gente pensa, ser candidato em época de redes sociais e fakenews é uma maratona de desafios, além dos tradicionais que são conquistar o voto dos eleitores, apresentar propostas que vão de encontro a realidade de mercado e, principalmente, conseguir fazer uma campanha com um planejamento que não tenha prejuízos para a imagem de quem sonha com a vitória nas urnas.

Uma das avaliações que candidatos precisam fazer é quanto a seu histórico de trabalho. Isso quer dizer que a trajetória de atuação em qualquer das esferas profissionais tenha sido executada com a mais alta ética e profissionalismo que existe. Esse fator é preocupante porque, durante a eleição, os opositores sempre armam estratégicas de investigar o concorrente e aproveitam para colocar o conteúdo nas redes sociais sem dó nem piedade.

Outro fator que impacta bastante, é o candidato conversar com sua família e amigos para encarar os desafios. A Internet está cheia de bandidos que praticam crimes todos os dias com difamação, calúnia e divulgação de fatos que, muitas vezes, não remetem a verdade da situação ou tentam passar aos internautas a mensagem subliminar.

Recentemente, o Congresso Nacional colocou todas as forças para aprovar o Projeto de Lei das Fakenews, mas o assunto não deve ser tratado com muita importância nas eleições deste ano e por isso a Internet ainda será um terreno sem dono durante a corrida pelo voto.

Empresas de tecnologia e especialistas oferecem, no mercado negro, diferentes tipos de robôs e sistemas virtuais que disseminam uma mensagem para milhares de telefones em poucos minutos. 


Então, aos candidatos de boa índole, é bom ficar atento e montar uma estratégia de avaliar seu passado, seu histórico de trabalho e, principalmente, de se estruturar com a família, amigos e uma boa assessoria jurídica para casos que tenha que recorrer ao poder judiciário para provar sua idoneidade. Esta é uma prática bastante inversa do comportamento da sociedade. 

Pessoas vítimas de fakenews são atacadas na rede e precisam perder tempo e muitas vezes dinheiro para retirar aquele conteúdo do ar ou cobrar direitos de resposta, e até mesmo indenização por calúnia. Mas esse é o retrato da realidade do submundo do marketing digital criminoso que deve caminhar junto mais uma vez ao lado de candidatos e quem perde é a sociedade, que poderia contar com excelentes nomes na disputa mas que muitas vezes avaliam que não vale a pena a exposição, muito menos a exposição familiar ou da vida profissional.

O importante é ter uma boa assessoria de comunicação e de gerenciamento de crise.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual prefeito seria melhor para a saúde?

56.3%
27.7%
16.0%