29/03/2020 às 17h47min - Atualizada em 29/03/2020 às 17h47min

Depois de comandar a Secretaria de Saúde do DF, farmacêutico de MS assume Hemocentro

Osnei Okumoto é uma das referências na gestão da saúde pública no país.

Redação
Reprodução
O governador Ibaneis Rocha (MDB) nomeou o ex-secretário de Saúde Osnei Okumoto, como diretor-presidente da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB). A publicação foi oficializada em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal. A nomeação ocorre após a exoneração de Okumoto da Secretaria de Saúde, em meio a pandemia de coronavírus (Covid-19). De acordo com o GDF, ele deixou o cargo "a pedido".

Okumoto substitui Bárbara de Jesus Simões, que estava na presidência do Hemocentro desde janeiro de 2019. De acordo com a Secretaria de Saúde, embora a nomeação já tenha sido oficializada, Okumoto "ainda não tomou posse". Na Saúde, ele foi substituído por Francisco Araújo Filho, diretor do Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (IGESDF).

Okumoto assume o Hemocentro em um momento de estoques reduzidos crise devido ao coronavírus. Segundo a fundação, houve redução de 30% nas doações em relação ao mesmo período do ano passado. A maioria dos tipos sanguíneos tem estoque menor que a metade. A situação mais crítica é dos tipos A negativo e AB negativo.

Mesmo com as medidas de contenção contra o coronavírus, o órgão funciona normalmente, de segunda a sábado, das 7h às 18h. A Fundação Hemocentro explica que estão sendo tomadas precauções como o aumento do espaço entre as cadeiras na sala de espera e a priorização da doação agendada, para evitar aglomerações.

Nas redes sociais, o Hemocentro faz campanha de conscientização na busca por doações, destacando que pessoas saudáveis podem doar normalmente. Já no caso de pessoas que estiveram em países ou estados com casos confirmados, ou contato com viajantes destes locais ou pessoas diagnosticadas com a doença, "devem aguardar um período de 30 dias para a doação". (com informações do G1DF).
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual prefeito seria melhor para a saúde?

55.2%
28.4%
16.4%