Fecomércio faz sondagem com empresários às vésperas do Dia das Mães

Compras ajudarão fomentar a economia que carece devido a crise.

Por Redação 11/05/2017 - 9:10 hs
Foto: Reprodução

Sondagem realizada de 7 a 8 de maio, pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio/MS, com apoio do Sebrae/MS, em Campo Grande, Naviraí e Dourados aponta uma reação das vendas para o período do Dia das Mães. O objetivo da ação foi levantar a expectativa de empresários nesta que é a segunda melhor data para vendas no comércio.

“Em Campo Grande, as lojas de departamento apontam a possibilidade de um crescimento mensal de até 10% com a data comemorativa, nesse sentido, 10 lojas de grande porte, que detenham esse crescimento esperado, podem contribuir para uma movimentação de R$ 25 milhões de reais; se falarmos dessas expectativas para empresas de pequeno porte, são recursos a mais que podem chegar a R$ 30 mil em cada estabelecimento”, comenta a economista do IPF/MS, Daniela Dias. “Somente na capital, no perímetro formado pelas ruas 14 de julho e Rui Barbosa e as avenidas Afonso Pena e Mato Grosso, há aproximadamente 407 lojas.  Nos shoppings de Campo Grande (Campo Grande, Norte Sul, Estação, Bosque dos Ipês e Pátio Central) são mais de 500 lojas. Se cada uma aumentar suas vendas mensais em pelo menos R$ 1 mil, a movimentação poderá chegar a quase R$ 1 milhão de reais”.

 Pesquisa de intenção de compras do IPF/MS e do Sebrae/MS apontam que o comércio destas três cidades poderá movimentar R$ 43,64 milhões. Só em Campo Grande, mais de 50% da população irão fazer compras à vista.  Na opinião do presidente do Sistema Fecomércio-MS, Edison Araújo, estratégias devem ser adotas, já que a pesquisa anterior também apontou que qualidade e preço do produto são os itens mais procurados. 

 “Promoção, facilidade para pagamento em dinheiro e divulgação dos produtos em campanhas junto às mídias sociais, por exemplo, podem impulsionar as vendas, serem diferenciais para os empresários”, sugere Edison Araújo. Na sondagem, empresários de Naviraí contam que fizeram contratações temporárias para atender a demanda e investir no atendimento à clientela.

 Esses dados corroboram com tendências já constatadas nas pesquisas, como a do Índice de Confiança do Empresário do Comércio de abril, cujos dados mostram otimismo entre a classe empresarial e melhora da percepção das condições econômicas.